segunda-feira, 18 de novembro de 2013

A gata que veio do espaço


Desde o primeiro dia em que habitámos a nossa casa nova, começámos a ser visitados por este ser do espaço. Não sabemos de quem é, mas julgamos ter donos porque está bem alimentada e é ultra-sociável.



 Todos os dias aparece no nosso quintal e senta-se à porta da cozinha, à nossa espera, e enquanto estou cá fora não sai de perto dos meus pés. Se desço as escadas, ela desce as escadas. Se subo as escadas, ela sobe as escadas. Se entro em casa, ela entra em casa... E aí é que a coisa se complica.

 Neste momento não nos convém ter um animal de estimação (por razões válidas) e, consequentemente, estamos a tentar evitar que a gata se aproprie da nossa casa (e de nós). Mas ela está tão empenhada em adoptar-nos (ou em que nós a adoptemos) que já nem sai de casa quando a enxotamos. Tenho mesmo de pegar na gata e colocá-la novamente no quintal (às vezes até resmunga e dá-me patadas).

 E, caramba, não é fácil resistir. Além de ser linda de morrer, derrete-se (e a nós) com ternura. Passa o tempo todo a roçar nas nossas pernas, a fazer rom-rom, a pedir festas com cabeçadas e a miar à nossa janela quando não lhe damos atenção. Jogo sujo...

 Os donos devem morar por perto. Mesmo que a gata não esteja no nosso quintal, basta eu abrir a porta da cozinha e sair cá para fora para ela aparecer logo de seguida (normalmente em menos de meio minuto).

 Esta semana vou perguntar aos meus vizinhos se sabem de quem é. Gostava de saber, pelo menos, se é mesmo alimentada por alguém.

2 comentários:

Ana Tarouca disse...

Está-me cá a parecer que vocês já têm dona!!! Ela adoptou-vos.:)

Manuel Moreira disse...

Já viste a lata... Chega-se a casa de uma pessoa e diz-se "ah e tal, gosto deste sítio. Agora é meu".
Raios...