quinta-feira, 7 de maio de 2009

Quadradinhos em sacos de plástico


Sou um ávido coleccionador de banda desenha.
Há até quem ache que sou um pouco fanático porque guardo os meus comics em capas de plástico, mas tenho boas razões para isso. 
Antes de mais, para que não haja confusão, quando digo "comics" não me estou a referir a "comediantes" (nunca experimentei guardar um desses em capas de plástico, mas se calhar há quem o faça). Refiro-me ao formato americano de BD. Vocês sabem, aquelas revistinhas com 30 e poucas páginas presas por agrafos na lombada.
Quando comecei a guardar comics em capinhas, era um jovem... digamos... qual é a palavra? Ah, já sei! Parvo! Era isso.
Na altura, achava que as BDs que estava a comprar iriam ser um dia muito valiosas. Afinal, um Action Comics #1 (a primeira vez que o Super-Homem apareceu) vale agora qualquer coisa entre $600.000 e $1.000.000. Acontece que, ao mesmo tempo que eu sonhava com o dia em que ia ficar rico à custa de uma revista que me tinha custado 300 paus, também o faziam umas quantas centenas de milhar de pessoas.  
Ou seja, uma vez que o valor de qualquer objecto coleccionável está directamente relacionado com a sua raridade... se toda a gente tiver um Spawn #1 (por exemplo) dentro de um saquinho, então esse livro irá valer apenas o preço de capa (por vezes até menos).
Agora, apesar de saber que não vou ficar rico (e, na verdade, estou-me nas tintas para isso) continuo a usar as capas de plástico.
Mas faço-o porque há uns anos atrás tive uma pequena inundação em casa. Quando cheguei ao meu quarto, a primeira coisa que vi foi uma BD a flutuar suavemente ao sabor da ligeira corrente provocada pela passagem de água pela porta. E depois outra BD, e outra, e outra, e... Os caixotes onde guardava os comics tinham ficado desfeitos e agora havia histórias aos quadradinhos a navegar livremente pelo quarto.
E sabem o que é espantoso? Não se estragou nenhuma! Já devem ter percebido porquê: comics em capas de plástico!
E pronto. Não sei porquê, mas apeteceu-me partilhar isto com vocês.
Já agora, depois de reler o que escrevi, acho que é caso para dizer: "não se esqueçam do preservativo".

3 comentários:

Ana T. disse...

Afinal, toda esta história dos comics em sacos de plástico é uma campanha de sensibilização para o sexo seguro, não é?! ;))))Assim, uma espécie de metáfora...

Tou a brincar pessoal que eu já vi as B.D.s nos ditos saquinhos de plástico à medida...o mais parecido que tenho são os sacos de congelação onde guardo os bifes...
Bjkas
Ana

Baléu disse...

Estiveste a curtir imenso enquanto ias divagando por estas linhas é o que é... Que bom ver-te assim. Xinhos às toneladas - um quadradinho para cada letra

José Madureira disse...

olá amigo,

é "comic" essa tua história dos "cómics" flutuantes. Ao mesmo tempo faz-nos flutuar no tempo e visualizar a cena "comic". (e a cara com que ficaste quando viste os floating comics)
É uma história tua, da tua vida, e passou-se fora do nosso olhar. É, portantus, agradavel para nós sermos incluidos no teu passado ficando, desta forma, a conhecer-te um pouco melhor!
Gande abraço!